30 de jul de 2011

Ele nem sabe...

Ele não sabe mais nada sobre mim. Não sabe que o aperto no meu peito diminuiu, que meu cabelo cresceu, que os meus olhos estão menos melancólicos, mas que tenho estado quieta, calada, concentrada numa vida prática e sem aquela necessidade toda de ser amada. Ele não sabe quantos livros pude ler em algumas semanas. Não sabe quais são meus novos assuntos nem os filmes favoritos. Ele não sabe que a cada dia eu penso menos nele, mas que conservo alguma curiosidade em saber se o seu coração está mais tranqüilo, se seu cabelo mudou, se o seu olhar continua inquieto. Ele nem imagina quanta coisa pude planejar durante esses dias todos e como me isolei pra tentar organizar todos os meus projetos. Ele não sabe quantos amigos desapareceram desde que me desvencilhei da minha vida social intensa. Que tenho sentido mais sono e ainda assim, dormido pouco. Que tenho escrito mais no meu caderno de sonhos. Que aqui faz tanto frio, ele não sabe por mim. Ele não sabe que eu nunca mais me atentei pra saudade. Que simplesmente deixei de pensar em tudo que me parecia instável. Que aprendi a não sobrecarregar meu coração, este órgão tão nobre. Ele não sabe que eu entendi que se eu resolver a minha dor, ainda assim, poderei criar através da dor alheia sem precisar sofrer junto pra conceber um poema de cura. Hoje foi um dia em que percebi quanta coisa em mim mudou e ele não sabe sobre nada disso. Ele não sabe que tenho estado tão só sem a devastadora sensação de me sentir sozinha. Ele não sabe que desde que não compartilhamos mais nada sobre nós, eu tive que me tornar minha melhor companhia: ele nem imagina que foi ele quem me ensinou esta alegria.

- Desconhecido -

Eu te admirava. Eu te observava e dê longe podia enxergar suas qualidades, começando por seu sorriso. Nossa, sou apaixonada por sorrisos, e agora, apenas pelo seu. É, o amor da minha vida estava apenas à alguns passos de mim, pela primeira vez não estava a 1.254 km, 2 dias, 48 horas e 56 minutos. Você pode tentar imaginar minha emoção? O quão rápido meu coração se pôs à acelerar? Às vezes fico pensando se não foi um sonho, mas, bom, em sonho algum poderia te sentir com a intensidade que senti, te beijar com a paixão que lhe beijei e te ter com a alegria que o tive. Eu lhe possuía e me entregava a ti. Tínhamos um ao outro, por isso nada mais importava. Eu nunca saciava minha vontade de te ter, de te beijar. Ter você ao meu lado, era tipo, incrível, perfeito, maravilhoso… Uma sensação indescritível e que eu daria minha vida para te-la novamente. Hoje sinto sua falta, isso me dói. Pesa consciência e destrói meu coração. Sinto muito se dei passos em falso, se te fiz sentir uma dor tão grande quanto a minha, mas saiba que eu ainda te espero voltar, ainda sento na varanda e passo o dia observando, esperando a hora em que você irá voltar. Eu sei lá, ainda sinto seu cheiro, como se esse aroma surgisse onde quer que eu esteja, sua face está por todos os lados, mas embora semelhante, nenhuma delas pode fazer-me tão feliz como você me fez. Ainda aguardo sua volta, aguardo por poder tocar-te outra vez.